Pular para o conteúdo principal

As vezes me sinto assim:

As vezes me sinto assim:
submergida
subterrânea
subtraída
um pouco abaixo do nível do mar
ou muito acima do que se pode pensar.
As vezes me sinto assim:
sequestrada
selada
amarrada
trancada
amordaçada.
Impedida de falar o que penso,
de pensar o que quero,
de querer o que gosto
de gostar do que me importa.
As vezes me sinto assim:
em sobressalto
em pleno assalto
jogada pro alto
como se nada mais importasse
que não fosse alheio a mim.
Me sinto assim,
nem pra mim
nem para ti
nem aqui
e nem ali.
Me sinto assim, assando a mim.

Comentários

  1. O poema é quase catarse.
    Desnudando-se em versos...
    Só os privilegiados das palavras conseguem unir a dor e abeleza em versos, assim.

    beijos
    P.S. Desculpe-me a ausência. Ando fazendo um curso que está me tomando todo o tempo.

    ResponderExcluir
  2. Que coisa bela!
    Espero que a liberdade entre em você...sorriso.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Alice, postei aquele seu poema das mãos, e ele fez (e está fazendo o maior sucesso!) Como está de feriado? Aqui está chovendo bastante. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi,tens uma lembrança lá nas teclas....um meme!E se quiseres um selo do blog.:)

    ResponderExcluir
  5. Oi Alice, boa noite
    É claro que a liberdade da palavras
    existe exatamente pra isso ou seja
    o que importa é a nossa mente estar
    liberta de grilhões que tolhem os movimentos sem que nos apercebamos
    disto.Linda poesia, muito gostosa de ler, parabens.Bjão, bom fds e fique com DEUS .

    ResponderExcluir
  6. Alice, isso é um espetáculo.
    Adoro esse jogo de palavras.
    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  7. Por favor!
    Ajuda a que se faça Justiça a Flávia. Se és um ser com sentimentos, ajuda!
    Eu jamais invadirei teu blogue, garanto! Mas ajuda.
    Repara bem: eu, tu, seja quem for, tem nosso pai, nossa mãe, nosso irmão ou irmã, ao longo de 10 anos em coma, que vida será a nossa?
    Se não tivermos a solidariedade de alguém com sentimentos, que será de nós?

    TEMPO SEM VENTO

    Ah, maldito! Tempo,
    Que me vais matando,
    Com o tempo.
    A mim, que não me vendi.
    Se fosses como o vento,
    Que vai passando,
    Mas vendo,
    Mostrava-te o que já vi.

    Mas tu não queres ver,
    Eu sei!
    Contudo, vais ferindo
    E remoendo,
    Como quem sabe morder,
    Mas ainda não acabei
    Nem de ti estou fugindo,
    Atrás dos que vão correndo.

    Se é isso que tu queres,
    Ir matando,
    Escondendo e abafando,
    Não fazendo como o vento:
    Poder fazer e não veres
    Aqueles que vais levando,
    Mas a mim? Nem com o tempo!

    ResponderExcluir
  8. Pois é formosa senhora, chego aqui, sento-me e...embriago-me com os teu sentires...


    Os Deuses acordaram a ilha
    Passaram a noite em celeste folia
    Irritaram a chuva e o vento
    Construíram castelos na maresia

    Bom fim de semana



    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  9. Um poema em que te desnudas sublimamente...

    Abençoado " DOM" este que Deus te ofereceu!

    Bom fim de semana.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  10. E sentimo-nos vezes demais
    beijinhos
    luna

    ResponderExcluir
  11. Passei!...deixei cair em teu belo poema um beijo com carinho e desejo de um bem fim de semana.Beijinho prateado
    SOL

    ResponderExcluir
  12. Um belo poema, uma bela foto, um momento que nos enche a alma

    Parabens amiga

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente, mas não tente decifrar-me.
Nem sempre escrevo por mim, muitas vezes escrevo para mim também...

Postagens mais visitadas deste blog

À GEORGIA (Saia Justa), COM CARINHO...

Georgia , Quem não te conhece não sabe o quanto é doce teu coração. Quem não te conhece não pode imaginar o quanto são fundamentadas as suas ações. Cidadania, integridade e sensibilidade talvez pudessem ser seus nomes e sobrenomes. Você Georgia, é daquelas pessoas que nos surpreendem pela sensibilidade espiritual e pela atenção que tem ao que é importante e ao que pode melhorar nosso planeta e seus habitantes. São pessoas como você que fazem a diferença, que movem os moinhos, que constróem os castelos eternos e que transformam o que nos parecia imutável. Nos pouco mais de 2 anos que estou "no ar" nessa maluca e indispensável blogosféra , tenho acompanhado suas postagens com carinho e atenção. Tenho te visto engajada em temas profundos e sérios, tenho partilhado de sua linda família e seu amor por eles, e te vejo movida movida por ideais maiores a cada palavra que nasce de tua escrita. Gostaria muito que todos me ouvissem ou me lessem quando digo que nosso mundo precisa de pes

Militância Chata

Estou de saco cheio dessa militância . Que coisa mais chata essa gente cheia de verdades absolutas, pontos de vista únicos, pensamentos perfeitos e visões aguçadas. Ninguém mais sabe conversar, apenas discutir , brigar, e tudo para provar que está com a razão. Seja o tema politico' , social , religioso ou apenas qualquer bobagem, já se torna uma discussão. To cansada disso. Muito. Só queria poder ouvir , poder falar, poder ser , poder ver, e poder pensar ....sem alguém pra criticar, corrigir ou completar. Cansei.

Minha Doce Eternidade

Quanto tempo você levou para descobrir que o tempo passou pra você ? Eu, particularmente, nunca pensei que o tempo pudesse passar pra mim, e sempre acreditei na eternidade (eterna alegria, eterna juventude, eterna saúde) . Mas o tempo passa, e passa tão naturalmente que mesmo com o passar dele ainda me sinto eterna ( rsrsss ). Sinto-me como sempre me senti. Posso perceber em mim a mesma Alice de 15 anos, ou a mesma de 28 anos, ou ainda a mesma dos 35 anos. Penso da mesma forma, choro com a mesma dor, grito com a mesma intensidade, me alegro com a mesma euforia, mas a única coisa que estranho é essa imagem que teima em aparecer todos os dias pra mim diante espelho...Nessa imagem há cabelos estranhos que clareiam a cada dia e penso que ainda ficarão todos brancos...nesse corpo que vejo já não há tanta leveza e muito menos agilidade, e há também certas dores que caminham por ele que antes eu não notava. Mas ainda me sinto eterna. Há uma estranha dentro de mim que briga comigo o tempo t