12 de outubro de 2007

Sapatilhas do tempo


Eu queria ser bailarina.

Esse era meu sonho de criança, meu sonho doce, meu sonho lindo.

Me via dançando em todos os lugares, deslizando com a suavidade que só uma bailarina encantada consegue ter.

Saltava, rodopiava e incansavelmente dançava todos os sons.

Imaginava-me em lindos e esvoaçantes vestidos de ballet, transparentes como asas de uma fada, lindas sapatilhas trançadas nos meus pés e uma estonteante coroa de diamantes em minha cabeça.

Não havia música que não me levasse aos palcos de uma nova apresentação.

Eu tinha uma pequena lousa, dessas que as crianças brincam de escolinha, e uma caixa enorme de giz com as cores do arco-íris, e com eles eu desenhava meus sonhos no quadro negro (lindas bailarinas coloridas dançando, e ao fundo o negro da lousa como uma noite mágica).

Era delicioso sonhar assim. Mas fui crescendo, e meu sonho ficando para trás. Meus pais nunca conseguiram me matricular numa escola de ballet, era tudo muito caro para nossa dura realidade nos saudosos anos 60...fui crescendo, e guardando meu sonho na gavetinha empoeirada da saudade.

O tempo passou muito depressa, e eu nunca aprendi a dançar mais do que uma discoteca conseguiu me ensinar; mas as vezes ainda sonho com as sapatilhas trançadas nos meus ágeis pés ao som do "Quebra-Nozes",... ainda consigo sentir um pouquinho da brisa que um rodopio trazia ao meu rosto mesmo que eu nunca tenha rodopiado de verdade,... ainda sinto o toque dos tecidos leves em meu corpo quando salto ao vento, e o som dos acordes da orquestra que me acompanha atentamente,... ainda vejo o brilho dos diamantes de minha coroa e o olhar de admiração da plateia quando em minhas apresentações o exibo, e quando me esforço de verdade ainda ouço os aplausos emocionados de uma plateia extasiada e encantada.

Nunca dancei e jamais fui uma bailarina..., mas numa apresentação do "Lago dos Cisnes" não existe ninguém que emocione e voe mais do que eu, afinal, eu sou a dona desse sonho.

E você? em quem se transforma quando sonhas?

6 comentários:

  1. Tu danças nas asas do sonho como alva garça...

    Há um espaço aberto
    Estas pedras guardam segredos do tempo
    Aromas dispersos invadem-me a lembrança
    Este mar tem as cores do perdido sentimento


    Bom fim de semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  2. Como fosse um par
    Que nessa valsa triste
    Se desenvolvesse ao som dos bandolins
    E como não
    E por que não dizer
    Que o mundo respirava mais
    Se ela apertava assim seu colo
    E como se não fosse um tempo
    Em que já fosse impróprio
    Se dançar assim...

    Alice, na verdade, vc se transformou numa bailarina das palavras, tão suave e diáfano são os seus textos. Obrigado por este momento. Abs

    nil

    ResponderExcluir
  3. laSonhos são lindos não é mesmo??

    Beijo.
    Ahh, e eu quase nunca me transformo em alguma coisa, eu só durmo....

    ResponderExcluir
  4. Alice, se sonh é tão lindo quanto o sonho do cisne que, apaixonado, se entrega à dança da vida.
    Como você o descreveu maravilhosamente! Pude vê-la em volteios e encantamentos de deusa bailarina.
    É maravilhoso.

    beijos

    ResponderExcluir
  5. É essencial sonhar! Porque...
    "A vida sem sonhos
    é um rio sem nascente,
    uma praia sem ondas,
    uma manhã sem orvalho,
    uma flor sem perfume...
    Sem sonhos,
    a coragem dissipa-se,
    a inventividade esgota-se,
    o sorriso vira um disfarce,
    a emoção envelhece." - Augusto Cury

    Estou a gostar imenso do teu blog. Também me interesso bastante por poesia, psicologia, filosofia... mas acima de tudo: Jesus Cristo.
    Gostaria muito de receber a tua visita nos meus blogs: http://www.seguirjesus.blogspot.com
    e http://www.abrigodossabios-paulo.blogspot.com
    Creio que vais gostar de ler alguns dos meus posts.
    Abraço fraternal!
    Que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir

Comente, mas não tente decifrar-me.
Nem sempre escrevo por mim, muitas vezes escrevo para mim também...