9 de novembro de 2007

Eu, e minha alma errante"'.

Se olho, nem sempre vejo
Se vejo, nem sempre enxergo
Se enxergo, nem sempre descubro
Se descubro, nem sempre entendo
Se entendo , nem sempre concordo
Se concordo, nem sempre faço
Se faço, nem sempre capricho
Se capricho, nem sempre agrado
Se agrado, nem sempre me satisfaço
Se me satisfaço, nem sempre repito
Se repito, nem sempre quero
Se quero, nem sempre completo
Se completo, nem sempre chego ao fim.

Sou pequena, imperfeita e pecadora.
Sou assim, um círculo vicioso, alguém que anda em curvas, sempre em busca , sempre com fome, sempre com sede, sempre precisando, sempre amando, sempre desejando, sempre esperando mais.
Alma insatisfeita, instantânea, errante e passageira

Sou assim pequenina,... e estou sempre na condicional "SE",
e meu desejo é um dia chegar a "SER".

13 comentários:

  1. Tem uma frase do poema de Adélia Prado que diz:

    "Não quero a faca nem o queijo
    Eu quero é a fome."

    Essa "fome", inquietação é que te faz buscar, descobrir e SER especial.
    bjk

    ResponderExcluir
  2. É assim mesmo, querida.

    Somos sendo. Eis nossa condição.

    Beijocas.

    ResponderExcluir
  3. Agradeço a inserção do link do meu espaço aqui. Retribui com a mesma moeda. =)

    ResponderExcluir
  4. Olá Alice!

    Obrigado por sua visita e comentário. Você também já está em meus links.

    Um abraço

    Antonio Francisco

    ResponderExcluir
  5. O bom é estarmos sempre em movimento, estarmos "a caminho"...
    Um abraço...

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito de visitar este cantinho. Saio sempre enriquecido e compreendido.
    Este post define bem a essência de cada um de nós que busca o absoluto, a harmonia, a plenitude, a perfeição...enfim, o nosso verdadeiro SER. É essa fome, essa inquietação que nos faz caminhar, conhecer, descobrir e deslumbrar com os mistérios.
    Abraço fraterno!

    ResponderExcluir
  7. Ah, Alice, adorei esse texto.
    Buscar nossa essência não é nada fácil.
    Sempre tentei entender quem eu sou, mas nunca consegui. Talvez seja esse o mistério que torna a vida interessante.

    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  8. "Se olho, nem sempre vejo..."

    Por vezes, andamos assim, à deriva pelo mundo, sem sber bem como ou porquê...

    ResponderExcluir
  9. Ai, Alice...como isso caiu bem para mim hoje!
    Não sei se já disse, mas adoro seu nome....me remete a infância, sorriso.
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Olá Alice, lindo poema.
    Adorei!!!!!
    Beijinhos,
    Fernandinha

    ResponderExcluir
  11. Já és tanto...uma maravilhosa pessoa com o sorriso mais bonito que já conheci...


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  12. Mas você, hein Alice? Eu estou com aquele seu poema lindo das Mãos para postar (lembra que eu te pedi?) e você manda mais esse outro maravilhoso. Devem ser os ares de Ubachuva (ôpa) Ubatuba, que te inspiram, será que não? Ai, meu Deus, deixa a Academia Brasileira de Letras nos descobrir! (rs) Parabéns!

    abs do nil

    ResponderExcluir
  13. Oi Alice, tudo bem?


    "Sou pequena, imperfeita e pecadora."

    Essa sou eu.

    Grande beijo

    ResponderExcluir

Comente, mas não tente decifrar-me.
Nem sempre escrevo por mim, muitas vezes escrevo para mim também...