20 de abril de 2008

Meu menino grande

Como uma chama
que arde e queima em meu peito
que me aperta e sufoca em meu leito
que me aqueçe e me abraça em seu seio,
Como um laço
que me amarra em sua alma
que me enche de calma
e que me tem em sua palma,
Como a morte
que é certa na chegada
que não tem dia nem hora marcada
que me persegue como alma penada
Como um sonho
num instante sonhado
por um beijo despertado
e num abraço apertado
se faz um amor bem amado.
Como um "o que?" um "quando?"ou um "aonde?"
como se fosse ou se era,
como quando se tem e não se esconde
como um amor de verão em plena primavera.

Assim é meu amor de menina não crescida
para o meu crescido amor menino.

9 comentários:

  1. Alice que delicia ler o que vc escreve. Fico muito feliz em saber q vc quer me linkar retribuo o carinho e agradeço a visita, vc sempre sera bem vinda ;)

    ResponderExcluir
  2. Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Livros e Revistas, I hope you enjoy. The address is http://livros-e-revistas.blogspot.com. A hug.

    ResponderExcluir
  3. Alice,

    Mas que ternura!

    Tão belo! Tão Lindo!

    Comovente mesmo.

    Que Deus abençoe esse grande amor!

    O meu abraço
    Viviana

    ResponderExcluir
  4. Às vezes, é tanto como e tão quanto que não há palavras, né?!

    beijos daqui...

    ResponderExcluir
  5. Uau! Belas palavras minha menina dos olhos de Deus.
    O amor é realmente belo. Lindo de se ler, de se ver...
    Como estás?
    Eita... hoje aniver de Brasília a cidade tava que tava... foi muito bom!
    Agora é voltar pra velha rotina...rs
    Tenha uma ótima semana!
    Vamos ,brincar de índio...
    Indio, fazer barulho...rsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Alice...

    Muito lindo o seu amor e como demonstra-o aqui...

    Bjs

    Janaína

    ResponderExcluir
  7. hahaha !!!!!!
    Vai ter tatazinho todo dia !!!!
    Acabo a forga !!!!!!!!
    Tome lerda !!!!!

    ResponderExcluir

Comente, mas não tente decifrar-me.
Nem sempre escrevo por mim, muitas vezes escrevo para mim também...