16 de fevereiro de 2011

A Nossa Morte de Cada Dia

A morte está sempre a espreita.
Está sempre por perto em busca de oportunidades e brechas para roubar sua vida.
A morte não é necessariamente inimiga, mas jamais a chamaremos de amiga.
A morte mata nossa juventude, nosso ânimo nosso amor, mata relacionamentos e sentimentos.
A morte mora bem mais perto do que ao lado, ela mora dentro.
Andamos de mãos dadas a ela, choramos em seu colo e lhe confessamos nossos mais secretos segredos, e de tudo isso a morte se aproveita.

Contemplamos
sua face todos os dias pela manhã e é dela a primeira imagem do dia.
A morte é mais forte que o tempo, pois até do tempo ela rouba os segundos.
É errado pensar nela como algo mórbido pois nem sempre o que ela nos toma será enterrado. Muitas vezes a morte nos rouba a vida sem ao menos tocar nela.
A morte é aliada dos nossos atos e se alimenta das consequencias.

Para se vencer
a morte é preciso Cristo, pois só à Ele ela teme.
Ela sabe que Cristo a domina e ela, bem, ela o serve.
Se nossas vidas estão em Cristo, ainda que a morte nos ronde e se alimente de nossos erros, ainda assim só Cristo pode livrar-nos de seu golpe mortal e definitivo.
Em Cristo, a morte só nos toca quando permitimos, e só seremos tocados por ela momentaneamente.
Em Cristo vivo eternamente


Um comentário:

  1. Querida Alice,

    É maravilhoso e confortante saber que em Cristo Jesus vencemos a vida a a morte. Ele É a nossa Salvação.

    Parabéns pelos lindos poemas, pelo blog tão bem ilustrado e pelo link do Tenda na Rocha. Para mim é uma honra fazer parte desse rico espaço. Obrigada.

    Deus a abençoe,

    Com carinho.

    ResponderExcluir

Comente, mas não tente decifrar-me.
Nem sempre escrevo por mim, muitas vezes escrevo para mim também...