21 de fevereiro de 2017

Perdidismo

Sofremos de "perdidismo".
Nos perdemos em nós mesmos, em nossos valores, caráter e inteligência.
Já não sabemos mais onde começa o bem e onde termina o mal.
Tudo se misturou, tudo se confundiu, tudo se tornou uma grande e diabólica alquimia de perdidos.
Estamos perdidos em nossa fé, temos dúvidas fundamentais, questionamos quem crê e não respeitamos quem está ao nosso lado.
Estamos perdidos em nossas definições sexuais, já não sabemos mais se ao crescermos ainda seremos os mesmos homens e mulheres que nascemos.
Estamos perdidos em nossos valores , corrompidos em nossas políticas de relacionamentos sociais, desvalorizados em nossos convívios naturais, nos tornamos profanadores da natureza, destruidores da alegria do próximo, invejosos e mesquinhos.
Estamos perdidos, e pior que isso, pensamos que nos encontramos.
Pensamos que encontramos a solução, pensamos que agimos com inteligência e pensamos que estamos evoluindo.
O mundo acabando e nós evoluindo?
Nos perdemos quando colocamos o dinheiro acima de Deus, o trabalho acima da família e o sexo acima do amor.
Nos perdemos naquele dia em que desejamos o poder, o comando e o domínio de muitos.
Nos perdemos quando dizemos não a quem tem fome, não a quem tem frio.
Estamos perdidos.
Desencontrados do amor.
Perdidos da vida.
Cegos.
Gritamos palavras de ordem, palavras de ânimo, escrevemos lindos livros , livros de auto-ajuda, poesias, somos capazes de inventar maravilhas, computadores, microondas, supersonicos, celulares, mas somos incapazes de nos encontrar.
Incapazes de amar.
Perdidos.
Nos perdemos do Amor.
Fica tudo escuro sem ele por perto.
Fica tudo escuro sem o Amor, vem a corrupção, a violência, frio, fome, pedofilia, estupros, ditadores, guerras, assaltos, assassinatos, doenças da alma, divorcios, vícios, ....enfim, sem amor estamos como estamos, perdidos.
Tomara ele nos encontre, porque não sei mais onde nós estamos.
Isso, que chamamos de seres humanos, só são humanos EM amor, sem amor, são só seres.
Seremos seres sem amor até quando?
...encontra-nos, por favor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente, mas não tente decifrar-me.
Nem sempre escrevo por mim, muitas vezes escrevo para mim também...