7 de agosto de 2010

Desnuda


Quando a Lua rompe o céu da noite

e num açoite

deixa minh'alma nua

me deito

e num estranho gemer declaro

o que no escuro não falo,

e escancaro,

os segredos, os medos

e tudo o que me parecer raro...

4 comentários:

Comente, mas não tente decifrar-me.
Nem sempre escrevo por mim, muitas vezes escrevo para mim também...