8 de novembro de 2010

Há Perigo Nessas Tranças...

Certa vez conheci duas meninas lindas, de beleza frágil e caráter duvidoso.
São histórias que se cruzaram em minha vida, pessoas reais de nomes fictícios, mas que vi "atropelarem e destruírem" muitas vidas e que até hoje, fazem estragos.

Duas meninas lindas, de voz doce e suave, sorriso fácil e a tradicional educação de quem quer ser amado e reconhecido, mas de um caráter tão doentio que me fizeram olhar as pessoas com outros olhos.

Até a pouco tempo atrás eu não costumava desconfiar de ninguém, talvez por pura ingenuidade ou por simples preguiça em me defender, eu simplesmente ia acreditando nas pessoas.

Mas depois dessas duas meninas nunca mais olhei para as pessoas com simplicidade, e despertei dentro de mim um senso de observação e avaliação crítica que ainda não consigo determinar se é bom ou mau.

Eram duas meninas de tranças, Tita e Tete, o que é óbvio, não são seus nomes verdadeiros, pois o que quero dividir aqui não são os personagens, mas sim as carcterísticas do caráter dessas "meninas".

Nas tranças de Tete havia inveja, havia a angústia e a incerteza de não saber quem realmente era, havia o demónio manipulador que habita em todos os que tem características sedutoras.

Nas trançinhas de Tita havia a dor do fracasso, o orgulho dos que crêem que tudo sabem e o rancor da impotência de quem nunca foi o que sonhou, e era isso que alimentava seu ódio por tudo o que julgasse fosse belo ou feliz.

Duas meninas lindas e cativantes, atraentes e sedutoras e que circulavam livremente "como" simpáticas e bondosas entre todos.

Doentes, profundamente doentes.

Todos nós somos doentes, temos em nossas almas, feridas que necessitam de cura, de tratamento e de amor, mas essas duas eram totalmente avessas ao reconhecer suas fraquezas e até hoje se julgam superiores e melhores que qualquer mortal.

Duas meninas fracassadas em suas vidas de mulher, de esposa e de mãe, e olha que o fracasso faz parte dos ensinamentos da vida, mas não assumir ou não ver seus fracassos nos torna sorrateiramente perigosos, no mínimo.

Duas meninas que transitavam dentro da igreja com livre acesso ao clero, falavam em nome de Deus (!!) e em sua dita "espiritualidade" aconselhavam segundo seus próprios interesses, manipulando e destruindo .

A manipulação das tranças de Tete chegou as raias da destruição. Em nome da maternidade ela foi capaz de destruir toda uma comunidade...eu disse em nome da maternidade e defesa de sua cria, porém, os verdadeiros motivos eram seus desejos profanos de poder, e para isso, ela caluniaria qualquer um para se defender e manter sua posição.

Desceu como um caminhão sem freio em ladeira íngreme , e não teve dó nem piedade de "inventar" uma verdade e manipular o coração de seus próprios familiares a seu favor.
As tranças suaves de Tete não conheceram o amor, apenas a inveja e o medo de perder o poder.
As tranças de Tete sabiam muito bem como trair a seu favor, como fazer biquinho a seu favor, como encharcar os olhos ao seu favor, e preferiu ferir, matar e destruir ao invés de assumir, crescer, amar e defender.
As tranças de Tete nunca conheceram a sinceridade e a amizade, nunca experimentaram o amor e a simplicidade e nunca desejaram o céu.
As tranças de Tete eram sempre as mais importantes e para isso, até com hipócrita bondade e hospitalidade ela agia.
As tranças de Tete são até hoje capazes de enganar.
Espertas, sagazes e perigosas são as tranças de Tete.

Já as tranças de Tita são arrepiadas. Arrepiadas pelo destempero de seu coração.
As tranças de Tita são frustradas pela dor da incompetencia maternal de quem se culpa pelo destino da cria.
As tranças de Tita são ódio puro desenvolvido com o suor do trabalho de uma vida infeliz.
As tranças de Tita nunca descansam, estão sempre vigiando tudo e todos ao seu redor, controlando os passos e vivendo a vida dos outros.
As tranças de tita são vampiras sugadoras da vida alheia.
As tranças de Tita se penduram nas janelas e se preocupam e vigiam quem passa.
As tranças de Tita posam de santa, de pura e boazinha, mas são recheadas de ódio violento e são plenamente capazes de matar.
As tranças de Tita são assassinas e difamadoras, cruéis e mentirosas, falsas e profundamente angustiadas em sua existência.
As tranças de Tita também andam pela igreja, a se dizer sábias e espirituais.
As tranças de Tita só sabem copiar, repetir, roubar, nunca aprenderam a amar, doar e integrar.
As tranças de Tita te dizem uma coisa e sentem e fazem outra.
As tranças de Tita são bem capazes de jurar.

As trançinhas de Tete e Tita me assustaram , me surpreenderam, me machucaram, e me me ensinaram.
Ainda que sejam tranças com desvios de caráter, não posso negar que sempre aprendo com elas.

Sinto-me mais prudente, mais "ligada", menos boba, e sei que cresci depois dessas tranças em minha vida.

Ainda vejo suas trançinhas balançando ao vento e vira e mexe elas querem me resvalar, mas hoje aprendi a me desviar de seu toque.
Eram duas meninas de tranças...tão bonitinhas que qualquer um nelas pode acreditar...


2 comentários:

  1. Alice:

    Eu, hein???
    Que história!!!

    Eu mesma cai em várias tranças escusas, mas graças ao nosso bom Deus, Ele me livrou de todas as armadilhas e me livra até hoje, quando não vigio... Mas me fez ficar mais esperta, mais dependente de Deus e da Sua Sabedoria, da Sua Justiça...

    Melhor mesmo é não cair nas artimanhas das tranças e, se possível, corta-las ou ignora-las...

    Entendo muito bem o que você quer dizer a respeito...

    bjs, sem tranças1

    ResponderExcluir
  2. Já via essa novela... o final é trágico pra falta de arrependimento.

    Abração Alice!

    ResponderExcluir

Comente, mas não tente decifrar-me.
Nem sempre escrevo por mim, muitas vezes escrevo para mim também...